terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Fregueses

Claro que não troquei Brasil x Itália pela piscina, apesar das ausências de Kaká e Del Piero e da presença de Felipe Mello e Adriano. Seguem minhas anotações durante o jogo, desprovidas de qualquer compromisso com o politicamente correto, como manda a regra em jogos da seleção brasileira (onde nada nunca parece correto).

- Primeira surpresa: Felipe Mello como titular. Sem comentário.

- Segunda surpresa: Adriano, pesadão e lento, sai jogando. Pato, eleito o melhor do mês na Itália, no banco. Dá-lhe Dunga!

- Logo no início, gol da Itália, em lindo lançamento de Pirlo para Grosso. Júlio Cesar parou no lance, pois tinha visto o impedimento (erradamente) marcado pelo bandeirinha inglês. No replay, apesar de ficar claro seu erro, o comentarista de arbitragem da Globo, claro, disse que o lance era difícil pro assistente, que isso, que aquilo outro... Tira-teima: meio metro.

- Se eu fosse o Arsene Wenger, pediria a contratação do Elano hoje mesmo. Vai gostar de fazer gol no Emirates Stadium assim lá na casa do Arsenal!

- Pirlo, Zambrotta, Legrotaglie... Robinho tirou os três pra dançar no segundo gol, principalmente Pirlo, que teve a bola roubada de maneira genial pelo brasileiro. City 2, Itália 0, placar do primeiro tempo.

- Montolivo e Pepe, promessas italianas, foram sacados no intervalo por Marcelo Lippi. Felipe Mello jogou os 92 minutos no time do Dunga. Aqui vale um comentário muito pessoal. A estreia do FM na seleção principal se pareceu muito com qualquer estreia minha numa pelada em que eu não conheça quase ninguém. Cabeça erguida, passes pro lado, nenhum risco e alguma disposição. Mas eu contei - foram cinco passes errados, dois deles que deixaram claro que ele não pode jogar na seleção. Assim como eu não posso impressionar ninguém mais numa segunda pelada.

- Dureza ver o narrador chamando o Camoranesi de CAMARONESI durante todo o segundo tempo! Meu Deus!

- Meu Deus 2! No momento em que a câmera mostra a torcida e, bem no meio dela, o técnico-do-West Ham-maior-ídolo-do-Chelsea Zola, o Galvão vira pro Arnaldo e dispara: "Quem é Arnaldo?". E a resposta é "a Mirla, ou o Newton, ou a...", dando sequencia à conversa que rolava sobre o paredão do Big Brother. Tiro o som e boto o novo do Beck pra tocar.

- O segundo tempo foi só pressão italiana e muita falta dura, muito por conta de algumas firulas desnecessárias de Robinho e Ronaldinho. Tivessem sido mais objetivos, teríamos aplicado uma goleada histórica. Em vez disso, demos apenas um chute a gol em 45 minutos em que brilhou o Júlio Cesar.

- Ainda assim, Dunga só foi mexer aos quase trinta, tirando Elano - coitado - e botando Daniel Alves. Thiago Silva (32'), Pato (35'), Josué (43!) e J.Baptista (43!) entraram também mas, claro, não mostraram nada em tão pouco tempo. Poderiam ter feito o Brasil jogar de igual para igual a segunda etapa, mas nosso técnico não mexe no intervalo nem num amistoso, vencendo por dois gols. E substitui aos 43. Num amistoso. Vencendo por dois.

- Equador, em Quito, março. Nas duas últimas vezes, nos venceram.

* a foto é uma homenagem ao Éder, titular do meu time de botão na infância.

6 comentários:

Camilo disse...

O problema é que a gente não torce mais por esses caras. Brasil x Itália virou o jogo de uma camisa contra a outra. bom pra fazer vtzinho de memória, mas mesmo quando surgem dois gols bonitos, toques legais e boas jogadas, isso não é mais com a gente. Enquanto o Robinho balançava pra cima do Zambrota (acho que era nele) e o Pirlo ficava olhando tudo, parado a meio metro do neguinho, estava eu entrando no globoesporte.com pra saber direito da contusão do Juninho do Fogão. Tá todo mundo em Londres. Pero não estamos tão distantes deles pra concordar: Felipe Melo é sacanagem.

Edu Mendonça disse...

Pior é ouvir e ler gente afirmando que ele teve uma boa estreia na seleção. Não fez NADA, não tentou NADA além de passes pro lado! Que personalidade é essa que conseguem ver nele?

renato disse...

botar jogador em campo aos 43 do segundo tempo é puro autoritarismo. é pra dizer quem manda aqui sou eu, submetam-se, e calados. que tal o novo beck?

Edu Mendonça disse...

Pois é, trata-de de uma falta de respeito com os dois jogadores, em se tratando de um amistoso (que vencíamos por 2x0). Impossível de entender ou explicar.

O novo do Beck chama-se "Modern Guilt" e é muito, muito bom. Vou gravar pra ti.

ddd disse...

Por isso que vc passou por uma porcao de lugar e nao ficou em nenhum, vc so sabe cornetar, vc e igual as outras merdas que tem, e palpiteiro, nao sabe nada de futebol.

Edu Mendonça disse...

Caro "ddd", eu passei por alguns (e não uma porção) de lugares porque estes lugares quiseram meu trabalho e pagaram bem por isso.

Fico feliz que, no dia 24 de abril, você esteja lendo algo que escrevi em 10 de fevereiro...