segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Sprewell x Ronaldo, e a total falta de noção


Latrell Sprewell foi um bom armador, quiçá brilhante. Durante mais de uma dácada - de 1992 a 2005 - brilhou na NBA atuando por Golden State Warriors, New York Knicks e Minnesota Timberwolves. Chegou a disputar as finais pelos Knicks. Chegou a ser ídolo da mais que exigente torcida de Nova Iorque. Mas será sempre lembrado por um incidente e uma declaração infelizes.

Em dezembro de 1997, durante um treino, o então técnico dos Warriors, P.J.Carlesimo, pediu que Sprewell tivesse mais "atenção nos passes". Latrell disse que não estava de bom humor e pediu para que o treinador mantivesse distância. Quando P.J. se aproximou, o temperamental jogador simplesmente atacou-o. Atirou-o no chão e tentou entrangulá-lo por uns dez segundos antes que os companheiros o retirassem. O clube rescindiu o restante de seu contrato - quase 24 milhões de dólares pelos três anos seguintes. Ele acabou suspenso por mais de um ano, só voltando às quadras em fevereiro de 99, já com a camisa dos Knicks (quem mais para apostar num jogador que tentou estrangular o técnico além dos Knickerbockers?)

Incrível é pensar que Latrell Sprewell possa ter se queimado ainda mais com algo que disse do que com isso que fez.

Em 2004, já defendendo o Minnesota, Sprewell recebeu uma oferta de prorrogação de contrato de 21 milhões de dólares por três anos. Era bem menos que o contrato em vigência o pagava, mas o fato é que ele já tinha 34 anos e de forma alguma estaria atuando no mesmo nível até os 37. Latrell se sentiu insultado e deu sua resposta através da imprensa:

- "EU TENHO UMA FAMÍLIA PARA ALIMENTAR."

Sprewell nunca mais jogou, tendo recusado ofertas (ainda menores) de clubes muito melhores (Spurs, Mavericks, Lakers) nos anos seguintes. Desde então, foi acusado de tentar estrangular uma jovem de 21 anos em seu iate de 70 pés, em 2006. Acabou tendo as acusações retiradas por falta de provas. Seu iate também lhe acabaria sendo retirado, neste ano, por falta de pagamento, assim como uma de suas mansões em Milwaukee, onde mora.

* * *

Ronaldo Nazário foi um baita atacante, realmente brilhante. Depois de surgir no São Cristóvão, brilhou rapidamente no Cruzeiro antes de se transferir para o futebol europeu, onde brilharia ainda muito mais intensamente, defendendo clubes como Barcelona, Internazionale e Real Madrid. Jamais será lembrado como ídolo por essas torcidas, pois defendeu Real depois do Barça e agora o Milan depois da Inter... Foi decisivo na conquista do penta, tendo marcado os dois gols na final da Copa do Mundo de 2002. Mas será sempre lembrado por um incidente e uma declaração infelizes.

O incidente, todo mundo sabe, envolveu três travestis e uma história muito mal contada. Mas é problema dele, claro. Botar três travestis num carro e levá-los para um motel é algo muito menos grave e muito mais pessoal que tentar estrangular um técnico.

Incrível é pensar que, por estar no Brasil, por ser brasileiro, Ronaldo não tenha se queimado muito mais com algo que disse ao trocar o Flamengo pelo Corinthians:

- "EU TENHO QUE LEVAR O PÃO PRA CASA."

* * *

Em 2004, quando Sprewell disse que tinha "família pra alimentar", eu fiquei puto, claro. "Desgraçado! Cheio da grana e tem a cara-de-pau de falar uma coisa dessas!", pensei.

Não fui só eu. Nos Estados Unidos, Latrell passou a ser visto como um astro mesquinho e ganancioso. E olha que a mesma opinião pública que passou a condená-lo o havia perdoado por agredir o próprio técnico! Nada atenuava a ignorância de um atleta multi-milionário ao dizer que a recusa de um contrato de 21 milhões de dólares estava ligada à necessidade de alimentar a família. O americano, de forma geral, não engoliu aquilo.

* * *

Aqui? Bem, aqui parece que ninguém deu a mínima para o que Ronaldo disse. O mesmo Ronaldo que, segundo o Renato M. Prado, gosta de se gabar dizendo ter mais de 100 milhões de euros na conta. Imprensa, povo, companheiros de profissão, ninguém parece ligar para o fato dele ter "justificado" sua decisão citando a necessidade de alimentar a família, como fez Sprewell.

Mas eu ligo.

Ronaldo?

Pra mim, foi pro mesmo saco do Sprewell.

Dois idiotas sem noção do mundo que os cerca.

7 comentários:

Bolinho disse...

na boa Edu: fiquei puta aliviado do Shreck não ter vindo pra Gávea! a presença dele só iria servir pra aumentar o burburinho desnecessário que sempre cerca o Mengão, superdimensionar as expectativas da torcida e "sugar" mais uma graninha do clube. Que vá pra SP e fique lá com os "loucos" que o cotrataram.
Agora, que é UM BABACA, isso ele é!

Edu Mendonça disse...

Mas é claro, quanto a isso nem se discute. Quero um atacante de verdade, que faça gols, seja profissional e não motivo de musiquinhas das torcidas adversárias. Com o salário dele - cerca de 400 mil por mês - dá pra trazer uns dois belíssimos jogadores. Bom pro Flamengo, na minha opinião profissional. E bom pro Flamengo, na minha opinião de torcedor que paga ingresso.

Virgílio Dias disse...

Entendo a sua fúria. Mas tem um lado legal. Foi a melhor coisa que o Corinthians poderia ter feito. Levá-lo para bem longe da Gávea! Enquanto os dirigentes rubro-negros fazem um mirabolante projeto para o Imperador, no Morumbi o quebra-cabeça é bem mais fácil. Dizem que o Washington vai para o outro tricolor, o paulista. Já imaginou as jogadas aéreas do Jorge Wagner?
Eduardo Costa já chegou e ainda querem o baixinho Conca.
É, pelo visto o hepta está bem perto.

Edu Mendonça disse...

O São Paulo é foda. O Eduardo Costa, quando surgiu, tinha pinta de craque e futuro de seleção. Saiu cedo e caiu. Aposto que, sob a batuta do Muricy, volta a vestir a amelinha (quem sabe, convocado pelo próprio Muricy...). Se levarem o Conca, que acho belo jogador, aí, meu amigo, o Washington vai meter mais que os 34 de 2004... Seria ótimo pro Fla entrar nessa briga pelo Conca, cairia bem.

Camilo disse...

a contrataçao do Ronaldo nao terá efeitos no campo e sim na conta da esperta diretoria dos loucos, que de malucos, acho q nao tem nada. O Gordo q qr mais dinheiro pra comprar pao pra família e pras putas dele já vem pago, é alto-suficiente, mas precisa de um trabalhinho, digamos de "produçao", para viabilizar esse showzinho todo. coisa q no Fla fica impossível pelo amadorismo visceral da diretoria. E o Fla iria lucrar muito mais. Imaginem um maraca lotado pra apresentaçao do Ronaldo. palco, artistas flamenguistas fazendo shows. imaginem a venda de camisas e patrocínios... na bola ele já foi, tá gordo há 6 anos. mas no palco o "comedor de qqr coisa" é um sucesso.

Virgílio Dias disse...

Já leram a reportagem do Oglobo.com? Enquanto os jogadores comerem pizza durante o intervalo dos treinamentos não vamos ganhar mais nada. Triste realidade.


http://oglobo.globo.com/esportes/mat/2008/12/15/futebol_carioca_sofre_com_jejum_de_titulos_pizza_no_almoco_seria_carencia_de_estrutura-587291840.asp

Edu Mendonça disse...

"Treinamento" é bondade sua... jogador de futebol, no Rio, trabalha duas horas por dia, de terça a sexta. Na semana anterior ao jogo contra o Atlético Paranaense, o primeiro treino do Flamengo foi só na quarta... ok, o Homem-Flúido já estava de malas prontas, mas isso mostra bem como são as coisas por aqui.

Pergunte ao Muricy quantas horas os jogadores do São Paulo trabalham por dia?..