segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Segundona.

Eu assisti a três jogos de futebol neste fim de semana.

No sábado, vi o trio Thiago Silva, Ronaldinho Gaúcho e Alexandre Pato ser decisivo para a estreia do Milan com vitória sobre o Siena, por dois a um, no campeonato italiano.

Thiago foi um monstro na defesa, orientando companheiros dez anos mais experientes que ele. Ronaldinho, jogando como um legítimo camisa dez, deu dois passes mágicos nos lances dos gols marcados por um Pato absolutamente decisivo e confiante. Os três me pareceram em forma e motivados.

Ontem, vi Diego ter uma atuação soberba na magra vitória da Juve sobre o Chievo. Foi dele o cruzamento para o gol de Iaquinta e foram para ele as palmas de todo o Estádio Olímpico de Turim quando Ferrara o substituiu, a quatro minutos do fim, exatamente para isso. Mais que as palmas, o sorriso no rosto do brasileiro, enquanto era festejado pelos demais companheiros no banco, dizia tudo. Diego veste a 28, mas poderia perfeitamente vestir a 10 se ela não fosse de Del Piero.

Pois nem Diego, nem Thiago Silva, nem Pato, nem Ronaldinho, nenhum deles vai estar em campo no dia cinco, em Rosário, quando o Brasil enfrenta a Argentina.

Para os três mais jovens, seria um importante aprendizado relacionado à amarelinha. Encarar nossos hermanos, na terra deles, e na situação atual deles, é uma experiência que amadurece e bota à prova qualquer jogador.

Em vez deles, lá estarão Luisão, Felipe Melo, Josué, Gilberto Silva...

Ainda bem que ainda há tempo até a Copa de 2010.

* * *

O terceiro jogo a que assisti, claro, foi Avaí x Flamengo.

Sobre ele, apenas uma coisa a dizer - o foco de jogadores, comissão técnica e dirigentes, a partir de agora, deve ser chegar logo aos tais 45 pontos.

E é bom não entrar numa de que falta pouco para isso.

* * *

Mudando totalmente de assunto, deixo a dica - "Nalu Pelo Mundo", que estreou por esses dias no Multishow (terças, 21h), poderia ser apenas mais um programa na linha Surf Adventures, Mochilão, Travellers e outros, todos bons. Mas Nalu é muito bom. Também pela graça de Isabelle Nalu, de quatro anos, e pela simpatia do casal Pato e Fabiana. Mas, principalmente, pela edição, roteiro, sonorização e cuidado que se vê com a produção de cada sequência. Quando se sabe que tudo é feito apenas pelo casal - paralelamente a tomar conta da filha, numa idade em que isso não é exatamente algo fácil -, fica ainda mais admirável o resultado. Pra quem curte fazer tv, vale dar uma olhada.

4 comentários:

Bolinho disse...

quem diria que EU ia falar isso...mas parei! o ano acabou.
ARf

Edu Mendonça disse...

Tomara mesmo, porque o pior dos mundos seria, nas últimas rodadas, a gente ter que estar lá pra empurrar um time fugindo da segundona. Não tenho mais saúde pra isso.

Aparício disse...

É, a partir de agora, é arrumar as malas para a temporada na Europa...

Outro dia tive até um pesadelo, de que o Flamengo, o Fluminense e o Botafogo caíam pra segundona e o Vasco voltava sozinho.

Sobre 'Nalu' é um excelente programa mesmo, essa combinação de trabalho e viagem me atrai muito, só não daria pra eu surfar porque eu sou meio encagaçado com ondas.

Edu Mendonça disse...

É meu projeto de vida - vender tudo, comprar um veleiro e ganhar mundo filmando tudo pra vender depois para algum canal a cabo descolado ou, quem sabe, uma NatGeo ou Discovery. Mas primeiro preciso aprender a velejar. Acabei não vendo ontem, uma pena - queria rever alguns lugares legais de Sydney que eles visitaram.

O Fla não cairá. Mas ainda pode nos trazer uma boa dose de sofrimento até lá.

E graças a Zico a temporada européia começou...